03 novembro 2017

[Resenha] Nunca Olhe para dentro - Por Amanda Ághata Costa

Título: Nunca Olhe para Dentro
Autor (a): Amanda Ághata Costa
Páginas: 482
Lançamento independente
Skoob
Compre: Amazon

Sinopse: Nem sempre a vida é colorida como um quadro ou suave como uma pincelada, às vezes é o contrário de tudo isso. Depois de perder os pais em um acidente de carro aos oito anos, a única coisa que Betina precisa fazer é encontrar o responsável por ter destruído sua família na noite que daria início à sua próspera carreira como pintora. Agora, longe dos pincéis e das paletas, ela está focada em terminar a primeira graduação e procurar na justiça um pouco de consolo para o caos que o seu passado ainda traz. Ao lado de seus amigos e sob o teto de uma tia que a detesta, ela perceberá de que cores as pessoas são feitas, e do quanto é realmente necessário olhar para dentro de tudo aquilo que a assombra, mesmo que para isso precise passar por uma inesperada decepção.


"A noite de hoje foi um grande marco na minha carreira como pintora. Estamos voltando da primeira exposição onde dois dos meus melhores quadros estiveram em destaque. “A menina prodígio de Ostala”, é o que dizia o enunciado em letras garrafais logo acima do grande mural, contendo uma foto em que estou sorrindo tanto que poderia ser considerada laranja naquele momento. Eu queria ser laranja para sempre, se isso significasse poder sorrir para centenas de pessoas através das minhas pinturas. Repetidas vezes. Imortalizada através de uma infinidade de pinceladas e significados."

Desde os seus primeiros anos de vida Betina sabia que era uma garota alegre, saudável, amada e cultivava uma conexão muito especial que nascera consigo: ela se conectava com as cores. Através das pinceladas que dava nas telas incríveis que pintava, a garota também pincelava tudo ao seu redor, e até mesmo vislumbrava as pessoas através do sentido da sinestesia, que faz alguém atribuir cores para as pessoas e sentimentos. Porém, as cores da garota se ofuscaram na fatídica noite em que ela e os pais, enquanto voltavam de uma exposição de suas telas, sofreram um terrível acidente. O carro caiu em um rio gelado, e, indo contra todas as probabilidades a garota sobreviveu por vinte minutos na água gélida e traiçoeira, embora os pais não tenham tido a mesma sorte. Órfã, sem aqueles que eram seu apoio constante, a menina foi mandada inicialmente para um orfanato. Porém, pouco tempo depois, decidiu-se que o melhor era que ela ficasse com Cecília, uma tia por parte materna, e foi então que teve início o seu inferno particular, muito mais gelado e obscuro do que as águas que carregaram os seus pais.

"Entre outras, essas são as lembranças que eu guardo na minha caixa proibida. Nunca olhe para dentro. Você não pode olhar para dentro. Independentemente do que vier a acontecer, eu não preciso enfrentar todas as memórias armazenadas lá. Eu já as revivo demais na minha própria cabeça."

Anos depois, sendo uma estudante de psicologia, Betina jamais esqueceu suas dores. Mantém-nas viva por meio de visitas realizadas em todas as sextas-feiras ao local do acidente, onde deixa três narcisos amarelos, que simbolizam a família que perdeu lá. Essas são as únicas cores que a garota se permite em sua vida, visto que assim que chegou na casa da tia, esta lhe proibiu de pintar. Também, parte das cores de sua vida são dadas por Paola e Caio, seus melhores amigos, que são sua força constante e os únicos a quem ela pode chamar de família. Além disso, a outra força que move a sua vida é a busca incessante e desesperada para descobrir quem foi o culpado pelo fatídico acidente e por tirar dela os bens mais preciosos de sua vida. Porém, durante um estágio do curso de psicologia, ela conhece uma cor diferente. Seu nome é Nicolas e ele é um médico de sorriso cativante, olhares matadores e de uma personalidade ainda mais fascinante. A princípio, Betina foge de tudo o que ele representa. Porém, aos poucos percebe que ele é alguém que  pode ter uma chance de entrar no limitado círculo de seu coração. Mas, ao mesmo tempo que se dá conta disso, uma descoberta terrível e avassaladora toma conta de seus dias, e a garota terá de lutar para não perder tudo aquilo que possui e ama, enquanto vê cada um de seus sonhos e ilusões se desfazendo em um mar de lembranças do passado que ressurgem e modificam suas crenças.

"Olho pela janela e vejo a lua preguiçosa, com medo do seu crescimento. Hoje ela está mais para nova do que para crescente. Por pouco tempo, eu a entendo. Crescer machuca. Crescer exige deixar muitas características pelo caminho. Você não pode crescer e carregar tudo consigo. Ou deixa para trás, ou segue em frente.
Dizer adeus para sua antiga versão é duro demais. Talvez seja por isso que a lua não queira crescer tão cedo."

Com escrita poética, tocante e cativante, Nunca olhe para dentro traz um enredo sobre nossos medos, nossos traumas e sobre as cores que habitam cada um de nós.

"— Olhe só, você pode ter o que quiser e o mundo estará lá esperando por você, amarelinha. Se achar que o sabor de calabresa com morango e peixe com chocolate tem sentido, ninguém tem o direito de dizer que não é certo. O que faz sentido para você é a única coisa que importa."


Há algum tempo eu vejo nas redes sociais a Amanda e seu trabalho, embora nunca tivesse lido nada dela, uma vez que seus primeiros livros foram enredos com um foco voltado para o gênero fantasia, e eu não sou muito fã dessa vertente. Porém, recentemente, encontrei uma resenha muito elogiosa sobre o Nunca olhe para dentro, e percebi, com surpresa, que a Amanda havia escrito um New Adulte. Logo, o adquiri e pretendia deixá-lo para ler no futuro. Porém assim que abri a primeira página e li o prólogo, senti que necessitava ler aquele livro imediatamente. E foi o que fiz. Na mesma hora, embarquei no enredo, que me proporcionou uma viagem muito interessante ao lado de Betina, conhecendo seus maiores traumas, dores e desejos.

O que mais me cativou nessa obra foi a escrita que é  Poética e bem feita, e nos deixa com vontade de ler mais e mais, nos envolvendo de uma forma bem intensa, a ponto de nos fazer imaginar cada cena que está sendo descrita. Ainda, achei incrível a inserção da sinestesia como uma característica bem especial da protagonista, e através das cores de Betina, consegui entender um pouco mais sobre tal fenômeno. Além disso, achei que Amanda conseguiu transmitir com muita competência os diversos sentimentos, desde o luto até a paixão pela pintura. Outro fator muito bacana foi a violência doméstica que é abordada de uma maneira realista aqui. Através dela o leitor é capaz de refletir, entender e se emocionar, e a violência doméstica foi o que deu origem a um dos epílogos mais originais e deliciosos que já tive a oportunidade de ler.

Quanto ao romance, não senti que ele foi o foco exclusivo do livro. Enquanto ele acontece, a protagonista também vai fazendo descobertas sobre si mesma e sobre o mundo ao seu redor, e ele foi um acréscimo em todo esse crescimento na vida dela. Este romance também se mostrou diferente e fascinante, pois mostrou personagens que não precisaram fazer grandes mudanças em suas vidas um pelo outro, e sim encaixaram-se e aconchegaram-se nos espaços já existentes, aceitando um ao outro exatamente como eram.

Os fatores negativos da história que encontrei foram muito poucos. Mas o principal deles foi uma situação que foi aberta e, na minha opinião, não tão bem fechada, o que me deixou querendo mais explicações. Além disso o achei um romance bem reflexivo, e com uma dose de drama, e para os leitores que não gostarem desse tipo de enredo pode não ser uma dica tão agradável, o que não foi o meu caso, uma vez que adoro.

Os personagens são bastante cativantes, e o protagonismo não fica só por conta de Betina, e podemos encontrar cenas maravilhosas sobre os amigos dela e outros conhecidos que recebem igual atenção. Conforme já falei, Betina é uma garota que teve suas cores retiradas depois que passou a viver com a tia, mas admito que não a achei uma pessoa tão melancólica e triste, e ao mesmo tempo que ela tinha todos os seus medos, também a achei com uma força que não se apaga. Já Nicolas, o par romântico de Betina, é um rapaz que não conseguimos conhecer tão a fundo pois vemos tudo pelo ponto de vista de Betina, mas todos os vislumbres que temos dele são de uma pessoa atenciosa e que tem um grande amor para dar. Paola e Caio, os dois melhores amigos da protagonista, são pessoas marcantes, e carregam em si alguns pontos que poderiam os fazer sofrer, mas eles optam por se tornar pessoas alto astral e que vivem a vida de forma intensa.

A narração foi feita em primeira pessoa, por Betina, e é dividida em cinquenta e dois capítulos, além de prólogo e epílogo. Ainda, a edição foi lançada pela plataforma Amazon, em formato ebook, e a revisão está com uma boa qualidade.

Recomendo para os leitores que desejam conhecer novos autores brasileiros, e para aqueles que gostam do gênero new adulte, bem como de histórias que tocam e nos deixam um gostinho de "quero ler mais coisas desse autor".

10 comentários:

  1. Amei sua resenha :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu não li a resenha, só o finalzinho que fala sobre sua opinião, mas em minha defesa eu digo que é por estar no meio da leitura deste livro que consegui baixar gratuitamente no Amazon.
    Até onde estou na leitura, tenho que dizer que o livro é maravilhoso, mas vamos ver o desfecho.

    Beijos
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ola essa resenha me deixou curiosa para fazer essa leitura eu nunca li nenhum livro da autora e como esse livro é um new adult só aumentou a minha vontade de ler

    ResponderExcluir
  4. Eu não conhecia a autora e vendo essa capa pensei que fosse alguma edição da Darkside hahaha a história me chamou bastante a atenção, assim como com você, esse não é o meu gênero preferido mas só de ler a sinopse fiquei encantada e creio que não conseguiria desgrudar desse livro!

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamara,
    Ainda não li nenhuma obra dessa autora, mas tenho muita vontade, pois amo fantasia e new adult, esse novo livro dela. Fiquei muito intrigada para conhecer essa trama, já que a protagonista parece ser muito encantadora. A única coisa que me preocupa é essa coisa de ficar em aberto, mas, como você adorou a leitura, acho que devo fazê-la.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Oi Tamara, duas coisas me chamaram muito a atenção na sua resenha. A primeira é a escrita poética, porque eu amo quando a narrativa é mais sensível e introspectiva. A outra coisa é o foco do enredo nãos er só no romance. Sempre valorizo isso. Mas não vou negar não, a capa do livro está maravilhosa também.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Adorei sua resenha e conhecer esse livro, estou em uma vibe de buscar histórias de autores nacionais independentes e com certeza esta foi uma ótima dica. Parece uma história bem gostosa de se ler pra relaxar e pensar na vida. Adorei!

    http://anneandcia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu já vi a divulgação desse livro, mas ainda não tive a oportunidade de ler e também não conheço os outros trabalhos da autora. No entanto, achei a premissa bem interessante e fiquei curiosa para ler.
    Fiquei feliz pro você ter gostado tanto do livro e adorei conferir sua resenha. Achei bem interessante o fato de que o romance não é o único foco do livro e que ela foca na evolução da protagonista e no mundo ao redor dela.Gosto quando os livros apresentam personagens bem construídos, como parece ser o caso desse.
    Adorei sua resenha e já anotei a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oii!
    Ainda não conhecia nada desse livro mas achei muito legal ele trabalhar sinestesia. Não sou muito fã de new adult, mas a sinestesia é uma condição que me chama muito a atenção e eu adorei o fato da autora ter conseguido colocar isso dentro da narrativa de uma forma tão inteligente!
    Beijos!

    www.beyondbluedoors.com

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Ainda não conheço a escrita da autora, mas acompanho ela nas redes sociais e gosto muito da interação que ela tem com os leitores.
    Pela sua resenha deu pra ver que é uma ótima leitura, com certeza eu iria gostar, ainda mais por ter um toque poético

    ResponderExcluir