27 outubro 2017

[Tocando o terror] TOP 5: Meus livros de horror favoritos



Olá, leitores!

Enrolar-se à uma coberta na companhia de uma panela de brigadeiro, quem sabe, ou uma bacia de pipocas, abrir um livro e embarcar, com medo porém seguro, em uma história de terror. Te parece atraente? Para mim sim. Mas não pode ser uma mera historinha de terror, claro, precisa ser a história. O terror. Precisa fazer com que abracemos o travesseiro vez ou outra, com que nos encolhamos diante das páginas e pulemos de susto, também, a cada som inesperado a nossa volta. Por que não? Se a história é de terror ela precisa aterrorizar, certo? Ah, outra coisa. Para mim, livros de terror não são apenas aqueles que estão oficialmente classificados no gênero. Livro de terror são aqueles que nos despertam pavor. Fim. Talvez eles venham embalados por uma capa de fantasia, o que é bem comum, ou até romance. Mas eles assustam, apavoram e nos tornam pessoas levemente paranoicas.

Considerando que estamos no mês do Halloween e, consequentemente, nós aqui do blog resolvemos montar uma semana recheada de terror para vocês, somado, claro, ao fato de que este é um dos meus gêneros queridinhos de leitura, eu listei meus cinco livros favoritos correspondentes a estas características e que mais me horrorizaram (no bom sentido) nesta vida literária, como recomendações para deixar este nosso fim de Outubro com ainda mais cara de Halloween. Vamos lá?


1. O Último Passageiro



Autor(a): Manel Loureiro Doval
Editora: Planeta do Brasil
Ano: 2014 / Páginas: 384
Skoob

Sinopse: Agosto de 1939. Um enorme transatlântico chamado Valkirie aparece vazio e à deriva no Oceano Atlântico. Um velho navio cargueiro o encontra e decide rebocá-lo até o porto, mas não sem antes descobrir que nele há um bebê de poucos meses... e algo mais que ninguém é capaz de identificar. Por volta de setenta anos depois, um estranho homem de negócios decide restaurar o misterioso transatlântico e repetir, passo a passo, a última viagem do Valkirie. A bordo, presa em uma realidade angustiante, a jornalista Kate Kilroy busca uma boa história para contar. Mas acabará descobrindo que somente sua inteligência e sua capacidade de amar podem evitar que o transatlântico pague novamente um preço sinistro durante o percurso. Inquietante. Enigmático. Viciante. Bem-vindo ao Valkirie. Você não poderá desembarcar… mesmo se quiser.


Kate Kilroy é uma jornalista que, tendo perdido recentemente seu marido, Robert, por quem era profundamente apaixonada e cujas cinzas ainda carrega consigo, aceita embarcar (literalmente) em uma matéria cheia de enigmas e mistérios na esperança de deixar o luto para trás. Seu outro objetivo, dar continuidade à investigação que o falecido esposo havia iniciado a respeito do tema. Como já dito na sinopse, esta matéria está relacionada ao Valkirie, um transatlântico que fora encontrado 70 anos antes vazio no meio do oceano, a não ser por um bebê a bordo... e quem sabe maldições que Kate e outros seres humanos ainda não são capazes de compreender.

O último passageiro foi meu primeiro livro lido, entre os que estão nesta lista. Faz tempo, mas lembro-me com exatidão de ter sido arrebatada logo nas primeiras páginas, do início ao fim. O cenário, um transatlântico gigantesco e antigo, contribui bastante dando uma ambientação aterrorizante para a história, algo que nos puxa para dentro dela. Os objetos peculiares e os sons estranhos, por exemplo, ouvidos pela protagonista ao longo dos capítulos, foram detalhes que eu pude tocar e ouvir, quase como se estivesse lá. É um enredo extremamente fantasioso, o que pode ser um problema para algumas pessoas, mas não foi para mim. Contêm cenas comoventes e até heróticas, o que faz dela uma história bem explorada, mas sem jamais perder o espaço do terror. E, por fim, outro ponto que considero importante destacar é a emoção transmitida pelos sentimentos de Kate e Robert, mesmo após a morte do homem. Confeço que, apesar de ser um livro de terror e ter me causado vários sustos, eu li o último parágrafo um tanto em lágrimas.




2. O Cemitério



Autor(a): Stephen King
Editora: Objetiva
Ano: 2001 / Páginas: 243
Skoob

Sinopse: Louis Creed, jovem médico de Chicago, acredita que encontrou seu lugar naquela pequena cidade do Maine. Uma casa boa, o trabalho na universidade, a felicidade da esposa e dos filhos. Num dos primeiros passeios para explorar a região, conhece um cemitério no bosque próximo à sua casa. Ali, gerações e gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. Para além dos pequenos túmulos, onde letras infantis registram seu primeiro contato com a morte, há, no entanto, um outro cemitério. Uma terra maligna que atrai pessoas com promessas sedutoras. Um universo dominado por forças estranhas capazes de tornar real o que sempre pareceu impossível. A princípio, Louis se diverte com as histórias fantasmagóricas do velho vizinho Crandall. Só aos poucos começa a perceber que o poder de sua ciência tem limites. Prepare-se para páginas de puro pavor. Em uma de suas mais terríveis histórias, Stephen King mostra como a dor e a loucura, muitas vezes, dividem a mesma estrada.


A vida do médico Louis Creed parece mesmo um sonho agora. Um bom emprego, uma casa grande e bonita, a mulher que ele adora, Rachel, e um casal de crianças. Tudo só melhora, claro, quando sua família é tão bem recepcionada pelos novos vizinhos, Jud e Norma, um casal de idosos de quem Louis e a esposa se tornarão grandes amigos. No entanto, há histórias macabras por trás dos bosques que cercam a propriedade dos Creed. Lendas que regem que, além de um cemitério de bichos, criado originalmente para crianças enterrarem seus animaizinhos, existe um lugar assustadoramente mágico... e terrivelmente perigoso. Sua função? Despertar os mortos. Ou, mais precisamente, espíritos maléficos que habitarão em seus corpos.

O cemitério é, dentre todos os livros de terror que já li na vida, o que mais me enche de pavor. Sim, enche. Ele me dá calafrios até hoje. Isto que é livro bom, hein?A história se passa em um lugar levemente deserto, cujas matas que o rodeiam e o silêncio humano que está sempre pairando nos arredores da casa de Louis, quebrado apenas pelos caminhões que atravessam a rodovia, dão um ar fantasmagórico a cada cena. Os personagens, por sua vez, foram todos muito bem construídos, de modo que é possível sentir empatia e cativar-se por cada um deles, ao mesmo tempo em que sentimos desconfiança a respeito de alguns. Todos possuem aquela pitada de mistério, sabe? É um enredo repleto de dramas familiares, emoções e, principalmente, muito horror. Houveram momentos em que eu ficava atenta a qualquer barulho e amedrontada diante de qualquer sensação climática mais gélida que fosse. E o final, ah, o final... o autor termina o livro de um jeito que eu achei sensacional e meio lixo, ao mesmo tempo. Mmeio lixo porque, tratando-se da última cena, ela é tão apavorante que merecia ter se estendido mais, além de que não há um final concreto. O autor meio que deixa brechas para que o leitor imagine o desfecho. Por outro lado, creio que este tenha sido justamente seu golpe de mestre. Ficar imaginando os possíveis finais para este livro foi o que me fez dormir encolhida, várias noites após o término da leitura. Ele termina de um jeito que nos dá medo e, consequentemente, todas as nossas imaginações a respeito do que poderia vir em seguida também estão voltadas a este sentimento. O cemitério é um enredo que testa a sanidade dos personagens... e leva o leitor à loucura.




3. Sobrenatural



Autor(a): Paige McKenzie
Editora: Rocco
Ano: 2015 / Páginas: 304
Skoob

Sinopse: Você acredita em fantasmas?
Sunshine Griffith é uma garota que acaba de fazer dezesseis anos. Depois de sua mãe receber uma proposta de emprego, as duas se mudam para a fria cidade de Ridgemont, em Washington. A transição de Austin, uma cidade acalorada do Texas, para Ridgemont já é bem complicada para Sunshine, mas esse é o menor de seus problemas. Logo ela descobre que além de seu quarto ser todo, hum..., bem rosa, sua nova residência é uma casa poeirenta e assombrada. À medida que os fenômenos vão ficando mais frequentes, assustadores e perigosos, a mãe de Sunshine vai demonstrando um comportamento mais estranho. Restará a Sunshine aceitar seu destino e – juntamente com Nolan, a única pessoa que acredita na garota e seu único amigo na cidade – salvar sua mãe de um futuro tenebroso.


A vida da jovem Sunshine Griffith começara a sair dos eixos quando, deixando para trás sua melhor amiga, ela se muda para outra cidade com sua mãe adotiva, Cat. Ainda assim, considerando que a tutora é sua pessoa favorita em todo o mundo, Sunshine promete se empenhar na adaptação ao novo lar. Entretanto, esta promessa torna-se difícil de ser cumprida logo na primeira noite, quando a garota percebe que em sua nova casa escondem-se perigos muito mais assombrosos do que a sensação gélida que ela não deixa de sentir e o cheiro de mofo que parece cercar o ambiente. Risadas de criança, passos no meio da noite e objetos que mudam sozinhos de lugar. Sozinhos... ou impulsionados por uma força maior.

Sobrenatural foi o livro mais recente que li desta lista e tornou-se também, rapidamente, um dos meus preferidos. É uma história toda conduzida por segredos, enfeitada por fantasmas e sem jamais ausente de emoções. Temos uma série de personagens bem cativantes, por exemplo, como a própria protagonista, Sunshine, sua mãe e a relação leve e carismática que há entre elas, além de Nolan, amigo de classe de Sunshine e seu companheiro para os horrores que ela está prestes a viver. Há também Victhoria, uma professora de artes aparentemente esquisita dos dois jovens e que exerce um papel importante na trama. Em vários aspectos, sobrenatural me lembrou muito a série a mediadora, da Meg Cabot. Exceto, claro, que este último é inteiramente mais voltado para o humor e romance, enquanto o primeiro, apesar de também trabalhar com adolescentes e espíritos, de um jeito bastante semelhante, sem dúvidas é mais voltado para o terror. É, porém, um livro pesado sem deixar de ser leve.




4. Boneca de Ossos



Autor(a): Holly Black
Editora: #Irado
Ano: 2014 / Páginas: 224
Skoob

Sinopse: POPPY, ZACH E ALICE sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam.
Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo...
Mas, de repente, Poppy conta para os amigos que começou a ter sonhos com a Rainha – e também com o fantasma de uma menininha que não conseguirá descansar enquanto a boneca de ossos não for enterrada no seu túmulo vazio.
Então, Poppy, Zach e Alice partem para uma última aventura a fim de ajudar o fantasma da Rainha a encontrar seu descanso eterno. Mas nada acontece do jeito que eles planejaram... A missão se transforma em uma jornada de arrepiar.
Será que a boneca é apenas uma boneca ou existe algo mais sinistro por trás desses fatos? Poppy está mesmo dizendo a verdade ou tudo isso não passa de um truque para que voltem a brincar juntos?
Se existe mesmo um fantasma, o que vai ser das crianças agora que elas estão nas suas mãos?
Poppy, Zach e Alice estão em fase de descobertas e mudanças. Eram melhores amigos e apaixonados por brincar de faz de conta desde sempre, na companhia de uma certa boneca. Mas agora já não sabem mais. Agora, talvez, esta certa boneca esteja escondendo um perigo mortal... e uma aventura instigante da qual as três crianças jamais fugiriam.

Boneca de ossos eu li já faz um bom tempo e, por conta disto, creio não relembrar todos os detalhes com clareza. Porém, lembro-me o suficiente para dizer que, ainda que seja uma história de crianças e também para crianças, é construída de páginas recheadas do mais puro horror. Penso que protagonistas tão jovens e inocentes, de certa forma, ofereçam à história um toque maior de drama e ainda mais medo aos leitores. Os cenários montados por túmulos, uma boneca assombrada capaz de se mover e uma jornada que começa no meio da madrugada, dão arrepios e nos envolvem do início ao fim neste enredo fantasioso, emocionante e assustador.




5. O Iluminado



Autor(a): Stephen King
Editora: Suma de letras
Ano: 2005 / Páginas: 581
Skoob

Sinopse: Danny Torrance não é um menino comum. É capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook.
Em O iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família.
Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. É uma sentença de morte. E somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal.

Para Jack Torrance, é o começo de uma vida nova e melhor. Entretanto, quando ele se muda para o gigantesco hotel Overlook com a mulher e o filho de cinco anos, Danny, após ganhar o emprego de zelador, pode estar colocando em risco a vida do garotinho e de toda sua família. Um lugar rodeado de mistérios, ódios de espíritos que há muito o assombram, um cenário que já fora pauco de ações brutais regadas a sangue. Um monstro em forma de hotel com um único objetivo: pegar Danny Torrance, o menino especial. O menino que escuta o pensamento das pessoas.

Particularmente, eu considero um dos pontos mais positivos deste livro justamente o ambiente em que a história se passa. Um hotel antigo, muito acima de montanhas que, devido ao inverno e a longa nevasca, torna-se totalmente inacessível por no mínimo seis meses. Local deserto. São apenas os três... e todo o resto que é inumano demais para ser descrito. Denny, especialmente, é um menininho fofo que dá vontade de botar no colo e cuidar, a cada vez que coisas estranhas acontecem com ele. E acontecem, o tempo todo. Sons, pesadelos e visões, vindas direto do inferno. É uma família cheia de problemas na bagagem, mas constituída por pessoas que se amam e zelam umas pelas outras, o que traz ainda mais emoção ao enredo e faz com que sintamos uma certa angústia, além do medo, diante de todos os riscos que os Torrance correm ali. É um livro de cenas fortes e sustos maiores ainda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário