11 outubro 2017

[Resenha] Meus dias com você - Por Clare Swatman



Título: Meus dias com você
Autor (a): Clare Swatman
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Skoob || Goodreads
Leia um trecho!
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Quando o marido de Zoe morre, o mundo dela desaba. Mas e se fosse possível tê-lo de volta?
Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho.
Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira?
Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade.
A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance: uma oportunidade de fazer tudo diferente, de focar naquilo que realmente importa, de mudar os rumos do relacionamento – e, quem sabe, o destino de seu grande amor.

Zoe e Ed casaram-se há vários anos completamente apaixonados. No entanto a chama do amor foi se apagando a cada problema que surgia em suas vidas. O casal chegou num ponto onde as frustrações são tão grandes que mal conseguem ficar por muito tempo juntos. E foi numa manhã que as brigas acabaram.

"Caminharam até as portas e , quando elas se fecharam, Zoe sentiu que estava sendo engolida pelo inferno."

Ed e Zoe acordam para suas rotinas, no entanto nesse dia Zoe estava de mal humor e desconta sua raiva em Ed. Apôs uma pequena briga ele sai de casa rumo ao trabalho de bicicleta, e no caminho é atropelado por um ônibus e morre. O mundo de Zoe foi destruído nesse momento, e mesmo após dois meses ainda não consegue seguir com sua vida.

"Ainda não tenho ideia do que está acontecendo, mas me parece claro que os dias que estou revivendo têm a ver com Ed, ou, mais especificamente, com nós dois [...] Tem que haver algo que eu possa mudar."

Numa certa manhã Zoe está em seu jardim e sofre um pequeno acidente batendo a cabeça fortemente. Misteriosamente ela é lançada ao passado, mais precisamente no dia em que conheceu Ed em seu primeiro dia da faculdade. A partir daí, Zoe passa a viver dias que foram importantes para o casal, e uma chama de esperança nasce em seu coração, se ela fizesse as coisas diferentes, poderia impedir que o dia da morte de Ed acontecesse.

"Talvez seja como o efeito borboleta: uma pequena mudança em algum lugar ao longo do caminho pode criar uma transformação enorme e impactante na vida de alguém a quilômetros, ou anos, de distância. O que talvez signifique que até mesmo uma minúscula mudança hoje pode ser relevante o suficiente para evitar que eu perca meu Ed."





Meus dias com você tornou-se um dos livros mais difíceis de formar uma opinião. Ao ponto que foi um livro fofo e levinho de ler, também foi arrastado e monótono. Não estou brincando, faz umas quatro semanas que conclui a obra e somente hoje consegui criar coragem para organizar os sentimentos que a obra me passou para lhes trazer nessa resenha. Mesmo depois de muito pensar, permaneço no meio termo. Eu gostei, mas desgostei (confuso né -risos-)

Falar da morte de Ed não é um spoiler pois acontece logo no primeiro capítulo e também esse é o fator que move toda a trama. Zoe é lançada ao passado e começa a reviver cada um dos momentos catalisadores da relação deles. O primeiro encontro, o primeiro beijo, o dia do casamento, os desentendimentos, etc.. O livro não é extremamente romântico, ele mostra de uma forma simples e sucinta uma relação que aos poucos foi fadada ao fracasso.


Ed é um espírito livre aventureiro. Ele anseia conhecer o mundo, ser feliz em tudo que fizer e estar ao lado da mulher que ama. Enquanto Zoe é mais séria e busca estabilidade. Mesmo sendo diferentes, o casal buscou um meio termo para que pudessem ficar juntos. Isso foi lindo no começo, no entanto as diferenças gritantes de ideais pesaram durante o casamento. E é justamente isso que vamos vendo ao decorrer do livro. Pequenas coisas e atitudes que fizeram duas pessoas se tornarem infelizes e frustradas.


Não vou mentir, o livro segue um ritmo lento (quase parando!) e narra os esforços de Zoe em mudar o passado. Várias coisas me incomodaram ao decorrer do livro, e esses fatores fizeram com que eu não gostasse 100% da obra. Não consegui me afeiçoar aos personagens. Zoe é uma protagonista desinteressante e passar toda a narrativa em seus pensamentos é cansativo. As atitudes e reações dela ante aos acontecimentos do passado foram repetitivas. Entenderia se isso viesse de uma adolescente que estivesse vivenciando tudo pela primeira vez, porém ela é uma mulher que se diz madura mas reage as coisas que sabe o que vai acontecer com espanto e novidade. Um exemplo claro disso, (é um spoiler, já deixo aviso) é quando ela volta para o dia que vai passar ao médico após alguns meses ter descoberto um caroço no seio. Ela sabe que não era um câncer pois já havia passado no médico no passado, no entanto ela chora e fica apreensiva com medo de ter câncer. Ao meu ver é uma reação incoerente. Fora tantas outras atitudes e expressões repetidas sobre o Ed e o desejo de sempre querer ter mais um dia a mais que cansava. Foi desgastante, no mínimo,.

"Quero dizer a ele que nunca é o momento certo, que a vida é muito curta para jogar as coisas fora, para perder tempo, para ficarmos separados. Mas não posso..."

Outro ponto que me incomodou foi ela não questionar porque e como voltou ao passado. Ela questionava cada uma de suas ações (mesmo já sabendo todas!), mas não queria saber do porque isso estava acontecendo. Era um sonho por ter batido a cabeça? Era realidade? Isso realmente estava acontecendo? Em seu lugar no mínimo eu gostaria de saber se teria como sair desse ciclo.


Ed foi outro problema para mim. Aos olhos de Zoe ele é o cara, príncipe encantado e a perfeição em forma de homem. No entanto, ele não é. Ed é um homem como qualquer outro que falha em coisas quase imperdoáveis. Ele é mimado, birrento, e faz aquilo que é melhor pra ele. Confesso que com o passar dos anos ele foi se tornando uma pessoa melhor e maduro, foi depois disso que passei a vê-lo como alguém humano.

"Há momentos em que eu só queria que o tempo parasse e que nada, nem mesmo o mais íntimo detalhe, mudasse."

O maior ponto positivo da estória, e também o que me fez gostar, foi a relação deles. Isso mesmo, a relação. Foi difícil não ter uma pontinha de esperança juntamente com Zoe para que o Ed sobrevivesse e eles pudessem recomeçar. Ao mesmo tempo foi sofrível ver o amor dos dois sendo desgastado com frustrações do dia a dia. Mesmo com todos os defeitos vi neles pessoas comuns que poderiam ser meus amigos. Aos poucos Zoe foi se afastando totalmente da família e se fechando em seus problemas conjugais. As coisas se tornam frias e até mesmo frívolas. É triste, pois acompanhamos o começo de tudo e havia muito amor e esperança.


Acredito que mesmo com os pontos negativos, Meus dias com você cumpriu seu propósito inicial. O livro fala de aproveitarmos o hoje pois não sabemos o que virá o amanhã. Zoe destratou Ed em seu último dia de vida, e assim, ficou marcada pelo remorso e luto pensando que poderia ter sido diferente. Isso me fez refletir se de fato tenho feito que está ao meu alcance pelas pessoas que amo. Ou até mesmo, que não posso descontar neles minhas frustrações e raivas. Devemos aproveitar cada instante e viver intensamente cada dia que temos. Mesmo diante a essa reflexão é impossível não sentir que Zoe poderia ter feito mais e que as mudanças que ela fez poderiam ter sido mais significativas. Algumas pessoas disseram que o livro é previsível, e de certa forma ele realmente é, mas confesso que esperava um resultado completamente diferente.

A edição física da obra está espetacular. O que me chamou atenção para a obra foi a capa, é linda e trás uma sensibilidade sem tamanho que podemos comprovar ao decorrer da estória. Internamento em nada deixa a desejar, o livro trás um papel levemente amarelado e de gramatura elevada. A fonte e os espaçamentos são grandes e confortáveis de se ler. A escrita da Clare Swatman é leve e gostosa, mesmo nos momentos mais arrastados me peguei apreciando os fatos descritos. Adoraria ler um outro tipo de romance com uma pegada diferente e menos densa.


Enfim, como podem perceber Meus dias com você é um livro difícil de avaliar. Digo até que é o tipo de obra que cada leitor tem que avaliar por si só. Vários fatores podem influenciar nas avaliações, desde a pessoa se identificar com os dramas dos personagens, até o momento que o leitor está vivenciando. Não acredito que uma pessoa que está passando por um período de extrema felicidade vá gostar da obra. Mas uma coisa é certa, Meus dias com você é um livro que fala sobre todas as fases do amor em uma relação, sobre valorizar as pessoas ao nosso redor, e mais ainda, sobre aproveitar cada instante e ver a beleza em pequenos gestos pois eles podem ser os últimos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário