06 setembro 2017

[Semana Nacional] Resenha: O garoto dos olhos azuis - Por Raiza Varella


Título: O garoto dos olhos azuis
[Encantados #1]
Autor (a): Raiza Varella
Páginas: 352
Editora: Pandorga
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Saraiva

Sinopse:  O príncipe encantado existe?
Bárbara é linda, loira e bem-sucedida. Desde que assistiu a uma cerimônia de casamento pela primeira vez, ainda criança, seu sonho é apenas um: percorrer o tapete vermelho da igreja, vestida de noiva. Porém, contrariando todas as suas expectativas, ao ser abandonada no altar, a vida de Bárbara desmorona. Ela decide voltar à cidade natal e passa a viver com os irmãos e mais dois amigos. Todos homens. Com a ajuda de Vivian, uma espécie de Barbie Malibu, Bárbara tenta superar sua decepção amorosa recente e uma da adolescência, que volta com tudo à sua memória: o garoto dos olhos azuis. Será que o cavalo branco só passa uma vez? É isso que Bárbara vai descobrir com bom humor, jogo de cintura e uma pitada de neurose, em O Garoto dos Olhos Azuis, romance de estreia de Raiza Varella.

 "Hoje vejo que é um grande erro criar nossas crianças para acreditarem no amor verdadeiro. A Disney deveria se envergonhar de vender a pobres almas ingênuas sonhos que não se concretizam na vida real. Hoje mataria com minhas próprias mãos a Cinderela se tivesse a chance de encontrá-la passeando de abóbora; seguraria a cabeça da Ariel fora da água até ela sufocar e riria até me dobrar se a Fera devorasse a Bela. Todos aqueles contos de fadas entorpeceram minha mente e me fizeram crer que um dia, quando eu virasse a esquina, daria de cara com um príncipe montado em um cavalo branco. Se tivesse sorte, o cavalo teria asas e o cara me levaria para morar em seu castelo. Como hoje eu sei que as coisas mais inesperadas acontecem comigo, só posso rezar para não ser sequestrada e ser feita de refém por algum maluco que queira uma empregada doméstica a baixo custo."

Chegou seu grande dia, Bárbara. Ou algo assim... era para ser a realização do maior sonho da vida daquela jovem que, desde os seis anos de idade e do primeiro casamento à que assistiu, espera pelo instante em que será levada ao altar por seu pai e entregue à aquele que a olhará com lágrimas de emoção e a certeza de que quer mais do que qualquer outra coisa passar a vida ao seu lado. Sendo alguém cujos pais são apaixonados mesmo após décadas de casamento, com uma família unida e uma avó que prega e acredita veementemente no amor verdadeiro, Bárbara cresceu esperando, claro, por seu príncipe encantado. Teve a certeza de que havia encontrado quando esbarrou, em uma típica cena de comédia romântica onde o mocinho derruba a mocinha no chão, com Miguel. Bonito, educado e gentil. Só podia ser ele! Ou não, né? Entretanto, nossa protagonista está prestes a viver mais uma típica cena de filme, um bem dramático, dessa vez. Vestida de noiva, em frente à uma porção de convidados e no cenário perfeito para o conto de fadas que ela tanto idealizara, a recém advogada descobrirá que seu príncipe está mais para sapo e que uma de suas melhores amigas, Manoela, com quem divide apartamento em São Paulo, era na verdade a grande vilã de sua história. A beira do sim, Bárbara ganha um ex noivo, uma ex amiga e um baita de um coração partido.

"– Eu vou morrer solteira, vou virar uma velha cheia de gatos! – continuei. Meu cachorro não ia gostar nada, nada do que eu estava desejando para o futuro.– Não vai, não. Você não vai, se me prometer uma coisa – disse, parando em um semáforo e virando o pescoço para me olhar nos olhos, pela primeira vez de frente.
– O quê?
– Nunca se ressinta, nunca desista. O cavalo branco só passa uma vez e não volta, mas não é tão fácil assim de enxergá-lo.
CHEGA! Eu queria que o cavalo, o taxista e minha avó fossem pro caramba viverem juntos e felizes sem mim.
– Promete?
– O senhor é solteiro?
– Não, já estou casado há cinquenta anos. Minha esposa encontrou o cavalo branco dela – disse com ar sonhador. – Por quê, menina?
– É uma pena, porque minha avó ficaria caidinha pelo senhor."

É assim, com o rosto inundado, malas feitas às pressas e na companhia de seu cachorro, Vitório, que Bárbara volta para sua terra natal, Florianópolis, de onde saíra anos antes para estudar em outro estado, para a casa onde moram os pais e a avó. Quebrar vasos na parede e dormir exageradamente tornam-se suas atividades favoritas. Sua família, no entanto, é persistente. Usará do carinho à força para tirar a moça de seu estado deprimido e, em uma tentativa não muito esperançosa de se reerguer novamente, ela resolve se mudar para o apartamento de seus irmãos mais velhos, Augusto e Gustavo. É lá que ela conhecerá seus outros novos colegas de casa, Bernardo e Ian, melhores amigos de seus irmãos. Descobrirá que morar com um quarteto de homens pode ser muito mais fácil do que ela imaginava em alguns aspectos e muito, muito mais difícil em outros. Esta nova vida também lhe apresentará Vivian que ganhará, merecidamente, o título de melhor amiga que ela julgava não mais poder ser ocupado por alguém em sua vida. E como nada é perfeito e toda história tem seus vilões... lhe reapresentará Camila, sua velha inimiga. Diante desta nova fase essa mocinha atrapalhada, triste e talvez um pouco azarada compreenderá, ainda mais, que não há nada tão poderoso quanto o carinho de uma família. Embarcará em uma jornada rumo à verdadeiros amigos e, quem sabe, ao amor.

Falando em amor e reapresentações... as voltas que a vida dá talvez levem-na de volta à uma de suas lembranças mais bonitas e dolorosas do passado, a qual tem como personagem principal um certo garoto dos olhos azuis.

"Ele abriu a mochila e tirou de lá de dentro um ramalhete de rosas brancas amassadas, depois pegou minhas mãos e fez com que eu segurasse as flores.
– Não escuta o que ela falou. Eu sei que algum dia alguém vai notar você. – Então ele abriu o sorriso mais lindo que eu já tinha visto, o que me fez lembrar daquele noivo de muitos anos atrás, mas o sorriso daquele rapaz não chegava nem aos pés do meu garoto dos olhos azuis. Borboletas dançaram no meu estômago. – Sabe por quê? – Neguei com a cabeça. – Porque eu notei.
Assim que terminou de pronunciar a última palavra ele colou seus lábios nos meus. Fechei os olhos instintivamente, mas o melhor beijo da minha vida acabou tão rápido como começou"





Iniciei a leitura do primeiro livro da trilogia Encantados com expectativas lá em cima, já que ele me foi indicado por pessoas com gostos literários semelhantes ao meu e eu já tinha ouvido vários pontos positivos a respeito. Não me decepcionei ou frustrei, nem um pouquinho! É um livro leve, romântico e divertido, que me prendeu do início ao fim. Devorei-o em uma única madrugada e terminei com aquele gosto intenso de quero mais. Tem momentos amorzinho e de muita torcida pelo casal, sim. Tem parágrafos que nos fazem soluçar de tanto rir e outros que nos arrancam algumas lágrimas. É outra das leituras dignas de um pote de sorvete ou barras de chocolate. São parágrafos recheados com muito humor e drama.

Considerei a relação entre os personagens como ponto mais positivo do livro. A união entre a família e a cumplicidade presentes nas amizades, por exemplo, toda a ternura e cuidado que há em todas essas relações me deixaram com o coração quentinho, de tanto que parecem reais. Os sentimentos são descritos de forma simples porém encantadora. Falando em personagens, foi impossível não me sentir cativada por todos eles. Além do casal principal, Ian e Bárbara, neste primeiro livro eu poderia destacar Vivian, que me despertou imenso carinho e admiração com sua forma de ser amiga e sua personalidade determinada. Mas todos eles, absolutamente todos foram muito bem pensados e desenvolvidos pela autora.

Eu particularmente não encontrei pontos negativos a serem destacados, mas creio que o fato de ser uma história clichê e um tantinho previsível, porque realmente é, possa se tornar um problema para alguns. Não para mim.

Se você curte romances brasileiros e está afim de algo para relaxar e que te renda umas boas gargalhadas, certeza que o garoto dos olhos azuis e toda a galera do primeiro livro de Encantados vai mesmo te encantar.

9 comentários:

  1. Ooi
    Comprei o ebook já a um tempo mas ainda esta encalhado. Hahaha. Tenho optado recentemente por leituras mais rápidas e leves, mas saber que você o leu tão rápido (o que mostra o quão envolvente é) me animou. Espero realizar a leitura em breve e gostar como você. :)

    ResponderExcluir
  2. Eu imaginava pela capa que fosse algo mais de fantasia sabe, e não algo de drama, mas parece ser legal a história, mas não seria algo que leria no
    momento, mas sei que a autora é bem comentada pelas resenhas que li.

    Greice

    Blogando Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi, leitura clichê é bem complicado, pelo menos ao meu ver. Acho que esse seria o ponto negativo para mim. Gosto de leituras mais divertidas (+1 pra esse livro), mas cair no previsivel me atrapalha um pouco (-1 pra esse livro). Não ei se leria, mas para quem curte é uma boa dica.

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Isabela,
    Só de ler a sinopse dá pra se imaginar que a história seja clichê mesmo. Eu também não gosto dessas capas com figuras humanas em livros. Parece uma elfa de Senhor dos Anéis heheh

    Porém gostei do seu texto e é uma ótima resenha. É bom ver novos escritores brasileiros publicando todos os tipos de livros.

    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Oi Isabela!

    Eu não conhecia o livro, mas com os seus comentários fiquei um pouco interessada, apesar de ser uma história clichê. Mas algumas vezes a gente precisa de um livro desse estilo.
    A única coisa que não gostei muito foi a capa. Não achei muito bonita... Mas curti demais saber que é um livro nacional! Me deixou mais interessada ainda.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Isabela!
    Tadinha da Bárbara!!! Os dois traíras não poderiam ter se assumido logo de cara??
    Amo livros leves e divertidos. Perfeitos para depois de um livro pesado e denso.
    Obrigada pela dica!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Fiquei feliz de saber que é um livro nacional, nunca ouvi falar sobre ele mas achei bem interessante, principalmente por ser leve e divertido, que são livros que eu adoro! Com certeza irei ler em breve, gostei muito da resenha e obrigada pela dica! Beijoss.

    ResponderExcluir
  8. Oi. Tudo bem?
    Bem, eu acho que finalizou bem as suas opiniões sobre o livro. Com certeza as pessoas que tem problema com clichês provavelmente, vão ter um pouco de dificuldade com a leitura. Eu, por exemplo, não me senti confortável com a história. Tudo muito batido e previsível. Apesar disso, não posso negar que parece ser um ótimo livro, tanto que você nem apresenta pontos negativos. Gostei de conhecer um pouco mais do livro e fico feliz que tenha gostado da leitura.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Creio que essa obra seja ideal pra mim, pois, eu adoro um verdadeiro clichêzinho previsível rsrs... Achei a premissa da obra bastante interessante e a obra é cheia de elementos que me atraem :)
    Adoraria ter a oportunidade de ler <3
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir