21 setembro 2017

[Resenha] A chama dentro de nós - Por Brittainy C. Cherry


Título: A chama dentro de nós
[Elementos #2]
Autor (a): Brittainy C. Cherry
Páginas: 322
Editora: Record
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Saraiva || Submarino

Sinopse: Logan Silverstone e Alyssa Walters não têm nada em comum. Ele passa os dias contando centavos para pagar o aluguel, sofrendo com a rejeição dos pais e tentando encontrar um rumo para sua vida caótica. Ela, por outro lado, parece ter um futuro brilhante pela frente. Um dia, porém, um simples gesto dá origem a uma improvável amizade. Ao longo dos anos, o sentimento que os une se transforma em algo até então desconhecido para os dois. Alyssa e Logan não conseguem resistir à atração que sempre sentiram um pelo outro e finalmente descobrem o amor. Mas uma tragédia promete separá-los para sempre. Ou pelo menos é isso que eles pensam. Seriam as reviravoltas do destino e as feridas do coração capazes de apagar para sempre a chama que há dentro deles.

Resenha anterior:
Elementos #1 - O ar que ele respira


"Ela ia à igreja, enquanto eu fumava maconha na esquina. Ela acreditava em Deus, enquanto eu enfrentava meus próprios demônios. Ela tinha um futuro, enquanto eu, de alguma forma, parecia preso no passado."

 A um observador externo pode parecer que a Aly e o Logan não têm nada em comum: a Aly vem de uma família rica, trabalha, estuda e tem um futuro promissor pela frente. Já o Logan é filho de uma viciada em drogas e um traficante, passa seus dias vagando a esmo e fumando maconha com os amigos e simplesmente não tem perspectiva de futuro. Entretanto, na verdade, a vida, os traumas e os problemas dos dois são bem parecidos. As diferenças são basicamente essas: a família dela é rica enquanto a dele é pobre, na família dela não existe violência física e nem uso de drogas, já na dele...

"Seus lábios quase nunca se moviam; eu me perguntava se ele sabia sorrir. Talvez ele apenas existisse em vez de viver."

"Conheci meu melhor amigo na fila do caixa de uma mercearia. E minha vida nunca mais foi a mesma."

Até que um dia o Logan faz algumas compras na mercearia em que a Aly trabalha, e, por conta de algumas circunstâncias, os dois começam a conversar. Eis que ali surge uma inesperada e intensa amizade. Amizade esta que perdura por dois anos, até que ambos desistem de negar o que sentem e se entregam à atração, dando início a um eletrizante relacionamento amoroso, que é interrompido bruscamente quando uma tragédia acontece e leva Logan a se afastar de tudo e de todos, inclusive da Aly.

"Apesar de jovem, ele aparentava ter vivido cem anos de sofrimento e ter enfrentado conflitos pessoais muito piores do que os da maioria das pessoas. Sua postura o denunciava: ombros caídos, cabeça baixa."

Anos mais tarde Logan é forçado a voltar à cidade, e dá de cara com os fantasmas do passado. Será ele capaz de manter-se longe da escuridão? E quanto a Aly, será que o passado foi capaz de apagar tudo que existia entre os dois?

"Alyssa não era fácil e, mesmo se fosse, não seria fácil comigo. Ela tinha padrões, padrões aos quais eu não correspondia. Além disso, eu também havia estabelecido padrões para os relacionamentos dela, padrões aos quais nenhum cara correspondia."





Eu li “O ar que ele respira”, primeiro livro dessa série (resenha aqui), e gostei sim da leitura. Mas não foi um livro que me cativou ao extremo, eu só gostei. Agora, eu simplesmente amei “A chama dentro de nós”, é um livro lindo, engraçado e extremamente cativante. Acho que a maior diferença para “O ar que ele respira” são as cenas cômicas. Sim, tem uma carga de drama, mas não é aquele livro que te deixa com um aperto no coração durante toda a leitura, justamente porque as cenas engraçadas equilibram o drama. Vou deixar aqui um trecho que exemplifica bem esse lado cômico do livro:

“Shay finalmente foi até o carro, abriu a porta e entrou. Quando o veículo começou a andar, senti um aperto no estômago e percebi que havia cometido um erro. Comecei a correr debaixo de uma chuva torrencial, gritando seu nome.
- Shay! Shay! – berrei, acenando na escuridão.
Corri por pelo menos cinco quadras, até que ela parou em um sinal vermelho. Bati na janela do motorista, e ela deu um grito, assustada.
-Logan! O que você está fazendo? – perguntou ela, abrindo a janela. A expressão confusa logo se transformou em um sorriso orgulhoso, e ela estreitou os olhos. – Você quer voltar, não é? Eu sabia.
- Eu... – Bufei. Eu não era um atleta, isso era mais com o meu irmão. Tentei normalizar minha respiração apoiando as mãos na beirada da janela. – E-eu... preciso de...
- Você precisa de quê? De que, meu bem? Do que você precisa? – perguntou ela, acariciando meu rosto.
- Torta.
Ela recuou, confusa.
- O quê?
- Torta. As compras que eu fiz. Estão no banco de trás do carro.”

Agora, quanto aos personagens. Aly, a personagem principal, não me cativou muito. Eu achei a Aly muito passiva. As pessoas fazem o que querem com ela e eu esperei o momento que ela se imporia durante todo o livro. Mas, infelizmente, isso não aconteceu. Ela é aquele tipo de pessoa que sempre vai viver à sombra de alguém e não se incomoda com isso. Creio eu que isso seja reflexo dos problemas que ela tem com os pais. O pai abandonou a família para viver o sonho de fazer sucesso no mundo da música. E o mais triste nisso é que a Aly também é música e tudo que ela queria era o apoio do pai para viver seus próprios sonhos. Tendo em vista que a mãe dela é uma advogada controladora, emocionalmente distante e extremamente rígida que considera a música somente um passatempo na vida da filha.

"Ele me trocou pela música, o que era irônico, porque, para mim, ele era a minha música."

"- [...] Acho você bonita. Não apenas por fora, com aquela beleza que acaba com o tempo, mas de todos os modos possíveis. [...]"

"[...] a esperança era algo perigoso quando depositadas em pessoas indignas de confiança."

Então, em reação a esse ambiente tendo dentro de sua casa, a Aly tornou-se uma pessoa muito carente, frágil e totalmente dependente. Já o Logan viva em um ambiente totalmente hostil: a mãe viciada em drogas e o pai um traficante de drogas extremamente agressivo que cobrava caro qualquer ajuda financeira que desse ao Logan e sua mãe. A reação dele a esse ambiente foi cair no mundo das drogas, vendo-se cada vez mais parecido com seus pais. Só existem duas coisas que impedem Logan de cair de vez na escuridão, na verdade duas pessoas: a Aly e Kellan, que é o irmão do Logan, filho da sua mãe com outro homem, um homem rico, o que fez com que a vida do Kellan fosse totalmente diferente da vida do irmão.    

"Éramos muito diferentes, exceto pela maior chama que ardia dentro de nós: o desejo de sermos amados por nossos pais."

"Não importa o que pensam de mim. Eu não sou mais a mesma pessoa. A opinião dos outros não me define."

O Kellan namora a irmã da Aly, a Erika. E, sinceramente, eu me apaixonei pela história de amor dos dois, que, com certeza, daria um livro próprio. Não vou me alongar demais aqui, caso contrário a resenha ficaria enorme, mas um dos pontos altos do livro é a relação do Logan com o irmão e com a Erika também. Garanto que foi algo lindo e emocionante de se acompanhar.

"Ergui o ombro esquerdo.
Ele ergueu o direito."

"Descobri que um lar não é um lugar específico, mas a sensação que temos quando estamos com as pessoas que são importantes para nós, um sentimento de paz que apaga os incêndios da alma."

O que eu achei do romance? Bom, posso dizer que gostei mais de acompanhar a relação da Érika com o Kellan do que da Aly com o Logan. Justamente por conta da passividade da Aly. Ela simplesmente não se impõe em momento algum e o Logan faz basicamente o que quer com ela. Isso me incomodou um pouco sim, mas não tirou a beleza da obra, como um todo.

"- Você sabia como eu era desde o primeiro dia. É culpa sua pensar que poderia me mudar."

Sim sim. Nesse livro temos um elemento que eu destaquei em um texto que escrevi sobre a romantização do abuso na literatura (aqui): aquela coisa de a mocinha mudar o cara bad boy com a força do seu amor. E aqui eu quero destacar alguns pontos:
1. Eu não acho que ele tenha mudado por causa dela, até porque ele se afastou para ficar "limpo", e, se dependesse dele, continuaria afastado.
2. Não é porque o livro contém algum elemento que considero negativo que eu vou desgostar do livro como um todo. Até porque eu usei como exemplo a trilogia 50 tons de cinza no referido texto e eu li todos os livros da trilogia (que agora é série) e gostei muito. Mas escrevo mais sobre isso em outra oportunidade.
3. Na verdade, escrevi aquele texto porque sei, por experiência própria, o quanto é difícil reconhecer quando estamos em um relacionamento abusivo e acho que a discussão deve existir para que as pessoas saibam reconhecer consigam tomar providências antes que seja tarde. Não acho que um livro deve ser discriminado ou segregado por conter tais elementos.

"- Para sempre, Alyssa?
- Para sempre, Lo."

 "Era isso que as pessoas faziam, certo? Procuravam uma resposta que fosse mais fácil? Mais promissora?"

O livro é narrado em primeira pessoa e intercala entre o ponto de vista da Aly e do Logan. A escrita da autora é excelente, em minha opinião, faz com que você realmente entre no livro e vivencie tudo com os personagens. A edição é bonita, e conta com folhas amareladas e letras e espaçamentos de bom tamanho, facilitando a leitura. Não encontrei erros de revisão.

"Por que nós, seres humanos, sempre desejamos ser amados por pessoas incapazes de tal sentimento?"

 "Quando ela sentiu frio, dei meu moletom a ela.
Quando meu coração parecia prestes a se despedaçar, ela segurou minha mão."


É um livro que tem defeitos sim, e eu os enxergo. Mas amei a leitura porque senti o livro: sabe quando você lê um livro e ri, se emociona, sente raiva, angústia? Foi exatamente assim comigo. Assim, indico o livro para quem gosta de romance, temperado com drama e uma pitada de humor. Espero que tenham gostado da dica. Até logo menos.

"Essa era a coisa mais legal da vida: mesmo Quando os dias se tornam sombrios, você sempre recebe outra oportunidade, uma segunda chance para renascer das cinzas."

24 comentários:

  1. Oi! Já vi muitos elogios a respeito dessa serie, mas eu particularmente nunca li nada da autora e não conheço o seu trabalho. Porém, concordo que seja ótimo quando os autores conseguem passar os sentimentos dos personagens com tanta maestria como você falou da Brittainy e fiquei curiosa por conhecer a sua escrita. Também compreendo sua frustração com a passividade da personagem principal, mas que bom que você foi cativada pelos outros protagonistas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Barbara.

    Esse romance é da mesma autora de Sr. Daniels? Eu sou muito curiosa para conhecer a escrita da autora, que infelizmente ainda não tive oportunidade. Eu adorei sua resenha e como ainda não li O ar que ele respira, vou adicionar os dois na lista de desejados. Estou bem curiosa pela história. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Owmmm que maravilhosa a sua resenha.
    Eu super concordo com você, esse é um livro que como qualquer outro tem defeitos, mas ele é incrível, eu diria até que beira a perfeição. Não me apeguei tanto assim ao O ar que ele respira, mas esse me fisgou. Os demais da serie também são lindos. Fica difícil escolher um favorito.
    Parabéns pela resenha
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Barbara.
    Que bom que dessa vez sua experiência de leitura foi muito prazerosa.
    Eu também adoro quando o livro nos provoca sentimentos e reações a esses sentimentos.
    Acho que é muito boa a narrativa em primeira pessoa e esse intercalamento da narrativa.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li esse livro mas está na minha lista, pois li o primeiro e adorei.

    ResponderExcluir
  6. Adoro quando os autores colocam cenas mais tensas e misturam depois com algo mais descontraído. Fiquei com bastante vontade de conhecer essa autora!

    BEIJO

    ResponderExcluir
  7. Quanto quot cativante nesse livro! Fiquei meio que apaixonada por eles, mas sou traumatizada com essa autora porque não gostei dos dois anteriores que li dela. Mas que bom que enquanto o primeiro livro não te tocou muito, o segundo foi ótimo.

    ResponderExcluir
  8. Ola,
    Tudo?
    Primeiro adorei os quotes que você selecionou deu para ter uma ideia melhor do livro com certeza. Segundo esse livro é o livro 2 certo? Ele tem alguma relação com o primeiro livro? Preciso ler antes o outro? Porque pela sua resenha fiquei interessada nesse livro apenas, pelo que vi o primeiro é meio fraco rs. Enfim, gostei da resenha e da dica.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/2017/09/outlander-viajante-do-tempo-de-diana.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi.
      Tudo bem, e você?
      O esse livro é totalmente independente do primeiro e dá para ler somente este sem sombra de dúvidas.
      Beijos

      Excluir
  9. Barbara, assim como você, eu só "gostei" do primeiro livro, O Ar que ele Respira, mas devo confessar que gostei bem mais do que desse. Não sei, para mim faltou liga, sabe? Até o final da primeira parte, eu estava até envolvida, mas depois as coisas começaram a esfriara para mim. E, tem um mais um ponto que concordo com você: Érika com o Kellan do que da Aly com o Logan.

    Linda resenha! Beijão!

    ResponderExcluir
  10. "Ela ia à igreja, enquanto eu fumava maconha na esquina. Ela acreditava em Deus, enquanto eu enfrentava meus próprios demônios. Ela tinha um futuro, enquanto eu, de alguma forma, parecia preso no passado." eu gostei muito desse trecho do livro, para ser honesta, acho que é a primeira resenha que leio que sinto vontade de conhecer a obra, de parar e ler com atenção, apesar de clichê.

    ResponderExcluir
  11. Olá! Estou cm o primeiro livro da série. Gostei da sinopse, na verdade estou com bastante vontade de ler. Gostei dos pontos que você apresentou, também não curto muito essa "romantização", mas é como falaste, não é por que temos opinião diferente que a obra é ruim. Sua resenha me deixou bem curiosa, beijos!
    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  12. Oiê!
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas não gostei dele não... A premissa da história de amor dessas personagens não me convenceu e pela resenha, sinceramente, achei que eles não têm mesmo nada em comum... =O

    ResponderExcluir
  13. Toda vez que encontro uma resenha positiva sobre esse livro ou sobre a série tenho a certeza de que vou amar ler cada uma das páginas impressas neles. Mal vejo a hora de me encantar tbm. Com defeitos ou não, o que vale é o enredo ser apaixonante o resto é só mero detalhe.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem? Então, eu tenho extrema dificuldade em ler new adults, porque a maioria romantiza relações abusivas (que fica nos detalhes e nem sempre nos damos conta - assim como na vida real, né). Esse até despertou o meu interesse, pois fiquei curiosa para saber qual o motivo de ele se afastar de todos, além de querer estar limpo (deve ter mais de um motivo, né?). Li seu texto sobre romantização de relacionamentos abusivos na literatura e concordo com tudo, exceto que você esqueceu que o abuso psicológico tende a moldar e a coagir as mulheres, então, aquilo que você disse sobre não considerar abuso o que o casal faz entre quatro paredes, na verdade, é um reflexo disso. Não podemos esquecer que, antes de uma mulher aceitar, ou se silenciar sobre algo, muitas vezes, aconteceu um abuso psicológico em cima dela (muitas, muitas, muitas vezes invisível, por isso negamos ou negligenciamos isso). O que mais detesto sobre isso na literatura é, justamente, o seu último tópico, sobre um passado difícil "absolver" o cara de todas as suas atitudes violentas.
    Enfim, achei seu post de extrema importância, pois levanta uma questão que sempre precisamos exercer enquanto leitoras - e que, infelizmente, raramente nos dados conta. Dificilmente conseguimos distinguir humanização de romantização, e acho que isso é de extrema toxidade às mulheres :/
    Sobre sua resenha: adorei muito, tanto que me convenceu a querer conhecer a obra. Conheço a série, mas meu interesse é bem baixo, devido ao gênero. Mas muito obrigada por sua opinião, muito completa e envolvente! :)
    P.S.: desculpe pelo textão hihi.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Fiquei na dúvida se leriaou não esse livro, mas um detalhe me chamou atenção, vc disse que conseguiu "sentir o livro"! É tão maravilhoso quando isso acontece!!! Acho que vale a pena dar uma chance a essa leitura. Dica anotada. bj

    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Sei não, me pareceu um romance bem meia boca e previsível, espero está errado mas não me encantou e por isso dessa vez não vou nem me arriscar a ler. Bom, ainda bem que você parece ter gostado da leitura.

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Olá,
    É legal quando conseguimos gostar do livro mesmo encontrando algumas falhas. Eu sou aquela chata que não curte romances New Adult, justamente por a maioria gostar do clichê da mocinha mudar o carinha, e passa por umas situações bem ruins, mas aceita por ama-lo demais e etc. Até tentei algumas vezes ler NA, mas não deu muito certo. Então só fico pegando as dicas para presentear amigas e irmã. Haha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Oláa, tudo bem? Eu já li diversos comentários sobre as obras da autora; alguns positivos, outros negativos. Eu gosto muito de new adults, especialmente os mais dramáticos. Não sou muito fã do combo bad boy + menina quietinha, que termina em um relacionamento complicado e às vezes abusivo (gostei muito do seu post sobre isso). Eu achei a premissa de A Chama Dentro de Nós muuito legal e quero ler, mas vou começar a série pelo terceiro livro hehehe.
    Adorei sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. O mais bacana de acompanhar resenhas...
    É que a gente desfruta do parecer do outro, daquilo que o outro pensa sobre o livro, do olhar do outro...
    E eu nunca tive vontade de ler esse livro até agora.
    Ele é bem reflexivo e a forma de como você falou foi muito interessante e curiosa.
    Parabéns pela resenha! Amei os quotes!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  20. Olá,

    Eu lhe entendo. Tem uma série de livros da Faro Editorial que tem uns clichês bem claros e uns defeitos na construção do enredo, mas eu sou apaixonada por ela, porque mostrou uma personagem feminina super forte, decidida e que não cede com facilidade e tem dificuldade com suas emoções e um parceiro que é super frágil e demonstra seus sentimentos com uma facilidade emocionante.

    Gostei demais de suas pontuações e me fez querer conhecer essa série.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. Olá!

    Eu tenho esse livro aqui, mas não o anterior, então vou demorar pra ler, porém gostei das suas ressalvas, às vezes precisamos de livros assim, que nos façam acreditar no amor. A Brittainy é maravilhosa, já a conheci pessoalmente e ela é um amor!!

    ResponderExcluir
  22. Eu quero muito conhecer essa série, primeiro pq acho as capas maravilhosas! Segundo porque a cada resenha me encanto mais. Sou aquele tipo de pessoa q se isnstiga mais qnd existem opiniões divergentes sobre algo. Um livro, muito elogiado ou muito odiado não me dá mta curiosidade. Sobre a resenha, o fato da mocinha ser passiva me incomoda um pouco, mas pela carga emocional e pelo bom humor do livro, acho que vou amar fazer a leitura tbm.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  23. Ooi!
    Eu ameeei o livro anterior, então, minha expectativas com esse são altas. Ainda assim, só estou enrolando... Bem, não tive a oportunidade ainda. Parece que esse é tão emocionante quando O ar que ele respira, e saber que gostou me anima ainda mais.
    Beijoos!

    ResponderExcluir