29 agosto 2017

[Top 5] Coisas que aprendemos com Jogos Vorazes



A primeira coisa que vem em nossa mente quando pensamos em Jogos Vorazes é guerra. Quando vemos aquelas postagens no facebook sobre qual lugar fictício que gostaríamos de visitar, Panem e seus Distritos nem ao menos entram em nossa listinha. Porque será não?


Créditos na imagem

Apesar de ser um mundo violento e ter arrancado nossos corações a cada morte dos nossos amados personagens, Jogos Vorazes nos ensina inúmeras coisas que ficam encobertas em nossos pensamentos quando pensamos na trilogia. Hoje reunimos 5 lições importantes que aprendemos com os livros/ filmes.



1- Não precisamos aceitar todas as regras que são impostas.

As coisas em Panem permaneciam iguais até o final do primeiro livro/filme. Os jogos rolavam normalmente e somente poderia existir um vencedor. Katniss e Peeta foram contra as regras decidindo ser donos de seus próprios destinos escolhendo que não haveria nenhum vitorioso. Em meio a essa escolha, as coisas mudaram e o organizador do jogo escolheu os dois como vitoriosos. A partir desse ato começou toda revolução da história.

Em nossas vidas somos cercados por regras e mais regras. Mas até que ponto é certo seguir as regras quando elas entram em conflito com o que acreditamos? Vivemos num mundo de injustiças, e as vezes precisamos tomar decisões difíceis. O seu errado pode ser o meu certo, e o seu certo pode ser o meu errado. Não estou dizendo pra você sair por ai sendo "vida loka", mas as vezes só uma atitude basta para fazer a diferença.






2- Seja fiel a você mesmo.

Acho que esse é o ponto que mais gosto de refletir sobre a trama. Katniss é fiel a si mesma. Ela não muda seu jeito de ser e agir somente porque as pessoas querem que ela mude, ou porque a situação exige isso. A primeira escolha para ser a cara da revolução era o Peeta. Ele é um personagem mais pacificador, maleável e gentil. Katniss é teimosa e não aceita as imposições se para ela pareçam erradas.

Quantas vezes acabamos sendo influenciados por coisas que vemos? A roupa que todos vestem. O calçado que todos usam. O lugar que todos frequentam. Não é errado você não gostar daquilo que todos estão fazendo, e também não é errado você discordar de todos. Mais vale a pena você deixar de ir a um lugar modinha porque não acha legal, do que você ir e não se sentir bem somente para se enturmar com os amigos. Seja fiel a você e aquilo que você gosta e acha certo, isso molda o caráter de uma pessoa.






3- Não nos tornamos menos fortes por demonstrarmos momentos de vulnerabilidade.

Todos enxergavam a Katniss e o Peeta como pessoas fortes e símbolos da revolução, porém um para o outro eles demonstravam suas fraquezas e vulnerabilidades, e, da forma deles, se apoiavam.

Hoje em dia parece que as pessoas colocaram na sociedade que é errado você demonstrar o que sente, a não ser que seja felicidade e alegria. Abrimos as redes sociais e é um mundo todo cheio de alegria e felicidade. Mas pasmem, na realidade essas pessoas também passam por momentos difíceis, e demonstrar isso não é errado. Você chorar no colo do seu namorado (a), amigo (a), ou aquela pessoa que você sabe que está ali pra você, não vai fazer com que ele te veja como uma pessoa fraca, muito pelo contrário, isso só tornará os laços mais fortes e humanos, pois é exatamente isso que esquecemos, somos humanos e temos o direito de ficarmos tristes, de chorarmos, de sentirmos raiva e frustrações.

Essa semana vi um vídeo da Youtuber Maira Medeiros em que ela falava justamente isso. Ela estava passando por um período muito difícil que a deixou triste e sem vontade de produzir vídeos, foi então que ela parou pra pensar que isso é importante, mostrar para seus seguidores que por mais que ela esteja sempre rindo, ela também passa por momentos difíceis. Achei sensacional a atitude dela, e hoje a considero mais próxima e parecida comigo.






4- Sua aparência, ou, o lugar que você vem, não dita quem você é.

Katniss é descrita nos livros como uma jovem sem beleza marcante, muito magra, chegando quase a ser desnutrida. Todas as pessoas de seus distrito são pessoas consideradas fracas pela escassez do local. Aos olhos de quem a via, ela seria uma das primeiras a ser morta, porém, ela demonstra-ser alguém forte, determinada, inteligente e muito sagaz.

O que você veste, ou, o local onde você vive não dita quem você será. A sociedade costuma julgar pessoas mais humildes, que moram em locais mais simples, e, por isso, algumas portas são fechadas. Mas isso não é quem você é, ou limita aquilo que você pode se tornar. Eu acredito fielmente que as vezes portas precisam ser abertas por nós mesmos, e em casos extremos, forçar nossa entrada. Não estou dizendo que precisamos passar por cima das pessoas para conquistar as coisas, muito pelo contrário, acredito em reconhecimento por mérito próprio. Um trabalho bem feito e de qualidade mostra muito mais sobre você do que um trabalho feito às custas dos outros. Pode demorar a render frutos, mas o reconhecimento vem, e quando vem, a sensação de realização é imensa. Pode parecer clichê, mas é exatamente isso, o que faz nosso destino são as escolhas que fazemos hoje.






5- Uma hora aprendemos a nos virar sozinhos.

Acho que o ponto crucial dos jogos é cada um por si e Deus pra todos. Alianças foram firmadas no começo, mas no final, o intuito era única e exclusivamente sobreviver.

O ser humano é condicionado à sempre depender de algo ou alguém, mas uma hora precisamos aprender a fazer as coisas por nós mesmos. É super cômodo chamar uma pessoa para trocar uma tomada, ou até mesmo a resistência do chuveiro de casa que queimou. Falo isso por experiência própria.

Em casa sempre foi eu, minha mãe e meu irmão mais velho, depois que ele se casou penamos para fazer coisas corriqueiras que somente ele fazia. Aprendi a arrumar um pequeno vazamento, a trocar a borrachinha de uma torneira que está pingando, trocar uma tomada, trocar resistência quando queima, e mais várias coisas que a sociedade acha que somente homens podem fazer. Mas a realidade é uma só, quando a "água bate na bunda a gente precisa começar a nadar". Não podia toda vez que queimasse o chuveiro esperar até o final de semana pro meu irmão vim em casa trocar pra gente, ou pior, ter que pagar pra um estranho fazer isso. É duro, mas aos poucos vamos apreendendo coisas que tornam nossa vida muito mais simples.

Não estou dizendo de forma alguma que você precisa contar somente com você e mais nada, é sim importante ter pessoas com as quais possamos contar, mas, ainda mais importante é saber que tem coisas que precisamos aprender para crescermos pessoalmente.





Bom gente, é isso. Podem parecer coisas banais, mas quando lemos os livros, ou vemos os filmes, mal paramos para pensar nas inúmeras lições que aprendemos ali indiretamente. Esperamos que gostem ♥.

12 comentários:

  1. Cara, que lindo este post. Acho que é exatamente isto que os filmes devem passar. Porque nada mais é que superar desafios. Eu não li os livros nem vi o filme por preguiça, mas claro que vou fazer isto ainda. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Stéfani! Ótimo post!
    Concordo com os pontos que você mencionou, principalmente o item 2. Quantas vezes as pessoas não se sacrificam para poder se sentir parte de um grupo? Adorei!
    Bjs
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Adorei as cinco lições e se pararmos para refletir, são ensinamentos que precisam vir em algum momento da vida. Eu ainda não acabei a série, mas pq tudo que gosto tenho dificuldade em acabar, mas adorei o post. Me fez refletir.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oie, tudo bom?
    Amei o post! Eu A-M-O essa saga, é uma das minhas favoritas! Eu quero reler a tempos e seu texto me deixou com vontade de realizar essa leitura logo! Meu personagem favorito era o Finnick <\3

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Eu gosto muito de distopias porque elas tem muito a ensinar a gente. Concordo com os ensinamentos que listou. Eu fico triste por perceber que hoje é errado você demonstrar que tem sentimentos, principalmente se eles forem considerados negativos. Eu sou um ser humano, caramba.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Acredita que eu já vi pessoas falando que queriam ir para Panem? Eu acho que a única explicação é a pessoa não ter entendido os livros haha.
    De qualquer forma, achei muito legal você trazer nesse post algumas lições importantes presentes nos livros. Uma das mais importantes, para mim, é a de que a sua aparência não define quem você é. Em uma sociedade que as pessoas julgam tanto as aparências, é bom ver uma personagem como a Katniss, que veio de um lugar tão pobre e parece ser tão frágil, e acabou se revelando uma pessoa forte e inspiradora.
    Adorei o post e fiquei até com vontade de reler a trilogia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi!

    Eu amo essa trilogia, e ja defendi muito Ela de muitas criticas, as vezes muitos leitores leem mas não prestam atenção nos pequenos detalhes e no que a historia nos ensina, os 5 pontos que você nos apresenta, são poucos em comparação a todos que THG nos mostrar!

    Bjss

    ResponderExcluir
  8. Oi Stef,
    Adoro seus posts sobre 5 coisas que aprendemos com... porque abre nossos olhos para vermos que aprendemos mesmo, não é?
    Acho que você resumiu muito bem o que THG passa para o leitor, mas o maior ensinamento que ficou pra mim foi ser fiel ao que eu penso.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  9. gostei muito do post...
    mas na chamada esperei que fossem lições diferentes....
    concordo com seus pontos... mas as 5 coisas que me fizeram apaixonar em jogos vorazes são:
    - entender o controle da midia sobre a opinião da massa
    - entender como funciona de fato um estado autoritario
    - perceber que é nescessario sacrifios para lutar contra o sistema
    - entender a importancia da imagem pessoal quando em publico
    - enxergar a manutenção da pobreza para a sobrevivencia da riqueza.

    ResponderExcluir
  10. Amei, minha trilogia literária favorita, amo a atitude da Katniss amo o modo como a Suzanne Collins descreve esse mundo fictício mas que muito fala sobre nosso próprio, é exatamente isso.

    ResponderExcluir
  11. Eu li a trilogia até o início do terceiro e depois a leitura não me envolveu tanto. Mas seus pontos são realmente interessantes e amei vê-los destacados aqui. Gosto quando a história passa esses e outros tipos de ensinamentos em um parâmetro geral. O item 2 para mim, foi o que mais achei por essencial.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  12. Olááááá
    Eu tenho que confessar que eu amo esses seus posts, sabia?
    Eu não li a trilogia do Jogo Vorazes, mas assisti todos os filmes e eu sou apaixonada por eles... Pelo que eu conheço de forma superficial, o seu post traduziu bem a essencia da série e nos faz pensar em lições importantes para a nossa vida.

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir